O PARAFUSO

Chovia que Deus mandava. A lama era tanta que a bicicleta não ajudava. Era preferível continuar a pé e a bicicleta servir de apoio para se equilibrar. A luz nem pensar, o dínamo nem rodava com a lama que se acumulava no pneu. O que vale é que conhecia aqueles caminhos tão bem que se guiava pelas silhuetas das oliveiras e das alfarrobeiras. E se o doutor tiver saído? As silhuetas de vez em quando desapareciam quando a chuva batia com mais força. Tinha que chegar à do Mogo para daí telefonar para o doutor Matias. A seguir à do Pinguinhas a chuva amainou. Agora era a descer e melhor caminho, experimentou a montar-se na bicicleta, mas depressa desistiu. Escorregava aqui, encalhava ali, e receou que pudesse cair, ficar mal e não conseguir chamar o doutor a tempo. E se o doutor tiver saído? Afastava este pensamento com um gesto da mão. Mas de vez em quando ele voltava e era insuportável. Era só mais uma subida e depois já se havia de ver a venda do Mogo lá abaixo antes da curva. Havia de se ver se a chuva não tivesse voltado outra vez com força. Quando chegou à portela suava debaixo da samarra. Encharcado, o suor misturava-se com a água que escorria pelas calças abaixo. Mas agora já era sempre a descer.

– Eduardo, hoje não me apetece sair. – e passava a mão pelo cabelo do marido, já a ficar grisalho.
Ele fez que não ouviu.
– Apetece-me ficar aqui no quentinho ao pé do fogo. – e adoçava a voz.
Procurava desculpas, não porque não gostasse também das saídas, mas receava que ele se estivesse a viciar no jogo. Não notava que ele perdesse o controlo, mas a verdade é que desde que abriram o casino na Almadrava era vê-lo lá quase todas as noites.
Ele foi até à janela e ficou a olhar para a chuva.
Foi quando o telefone tocou.
– É para o senhor doutor.
– Quem é, Laurinda?
– É o senhor Domingos Parafuso, desculpe o senhor doutor, eu não sei o nome dele. Toda a gente o conhece por Parafuso.
– Não faz mal, Laurinda.

O doutor Matias era um lavrador. Filho único, o pai deixou-lhe três quintas espalhadas pela freguesia e mais as casas na vila, junto ao que antes tinha sido lagar de azeite, e agora são arrecadações de apoio às quintas. Homem pacato, alia gostos refinados a maneiras rústicas, por vezes a raiar o rude. São lendários os seus distraimentos. Conta-se que uma vez receitou a um paciente “duas carradas de estrume e um bidón de gasóleo”.

– Problema resolvido, Hilda, já não precisas sair. Eu é que tenho que ir ao Vale de Lama.
– Com um tempo destes?
– É o filho do Parafuso. Tenho que ir, pelo que ele me descreveu é uma difteria, garrotilho. Pode ser fatal se não for medicado.
– Eu sei. – e passava a mão pelo cabelo do marido, agora sem fingimento. – e sabes o caminho?
– Acho que seria capaz de lá ir ter, mas pelo sim, pelo não, e com este tempo, ele está à espera na venda do Mogo.

Já passa muito da meia-noite quando o doutor Matias parou o Peugeot 404 novinho e todo enlameado na rua da venda do Mogo, onde o Parafuso tinha deixado a bicicleta no alpendre. Era mesmo um garrotilho, e tinham chegado a tempo.
– Agora não tenho como lhe pagar, doutor, mas diga-me quanto é, e pagarei assim que puder.
– Quinhentos escudos. – com o escuro não se vê a cara do Parafuso, mas é melhor assim.
– Isso não é muito, doutor? – balbuciou ao fim de um momento.
– Quem quer bons ofícios aprenda-os.

Estava o Parafuso a jogar às cartas à do Mogo no Domingo à tarde quando chegou o filho do quinteiro do Azinhal na bicicleta à sua procura:
– O doutor Matias quer que você vá lá à quinta p’ra arranjar o carro.
– O novo?
– Não! O boca de sapo.
– Diz que já lá vou. É só acabar a partida.

Domingos Cabrita Guerreiro é conhecido por toda a freguesia e arredores por Parafuso. Há quem tenha anexins muito menos a propósito. O Parafuso é um exímio mecânico, de automóveis, de máquinas agrícolas, de camionetas, de motores de rega e industriais. De tudo. Estão a ver aqueles músicos brilhantes que tocam de ouvido e sabem o que ninguém lhes ensinou. O Parafuso é isso mesmo mas com a mecânica.

– Grandes carros, doutor. Já está como novo. Tem aqui carro para mais uns vinte anos. É só estimá-lo.
– E quanto é, Parafuso?
– 500 escudos.
O doutor Matias abriu a boca de surpresa:
– Eu não te comprei um carro, só mandei consertar este
– Quem quer bons ofícios aprenda-os, doutor.


Zé Varela – Agosto 2017

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s